10 janeiro, 2011


A precisão de se lavar, a cara, o sexo, e assim se limpam, evitando o mau cheiro. Escrevo certo porque o erro é meu, falo errado. E tem o tremor, o frio, o vazio. E quanta coisa não cabe em um único buraco negro? Nos lembramos de vários, ela e eu, todos preenchidos nos acontecimentos cotidianos, na repetição dos dias e na reinvenção dos preciosos objetos: um dos aros de bastidor, silenciosamente ausentado, deixando ali o bordado, esperando atenção, em suas passagens de nuvens e na migração de aves e borboletas. De um instante ao outro, no percorrer de agulha nesse tecido de tempo. É quando a indecisa decisão pousa sobre bananeira. Em tempo. Umbigada e curada em uma.

2 comentários:

  1. Lavar para arrancar tudo da pele e dos buracos negros.
    Adorei!

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Cores para noites sem lua